Blog - Últimas notícias

Se remir é drible, Legislar é a solução.

Os benefícios fiscais são nossa pauta recorrente.  Num momento estamos no Congresso Nacional acompanhando a tramitação do Projeto de Lei que os convalidará, de lá corremos para o Supremo Tribunal Federal acompanhando apreensivos a possibilidade de edição da Súmula Vinculante e as decisões nas Ações Diretas de Inconstitucionalidade, que começaram a ser moduladas. Ainda em Brasilia, passamos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais para sustentar que o Produzir e o Fomentar, são subvenção para investimento e, portanto isentas de tributação Federal, no caso do primeiro Programa já com decisão definitiva.

Saímos do Conselho, já que a Polícia Federal resolveu dar férias forçadas aos Conselheiros,  e voltamos para Goiás onde temos que acompanhar as reduções dos benefícios, bem como o cumprimento de todas as condicionantes para com o Fisco Estadual,  além de monitorar as Certidões Negativas, especialmente a Previdenciária,  para que as parcelas sejam quitadas na Secretaria de Indústria e Comércio e haja o gozo dos benefícios.

Dentre as muitas possibilidades de desfecho para a chamada Guerra Fiscal, aventamos que mesmo o pior deles,  aquele que fosse um cataclisma apocalíptico, seria resolvido obviamente com a remissão dos débitos  pelo Estado, inclusive com o apoio do CONFAZ.Esta seria a ação menos incoerente para o Estado concessor e para o contribuinte que agiu com base em Leis publicadas e Contratos celebrados com o ente público.

Mas, eis, que no dia 24/04/2015, provocado pelo Ministério Público do Distrito Federal  e Territórios, o Ministro Marco Aurélio do Supremo Tribunal Federal, decidiu cautelarmente, que não, não é possível a remissão de débitos cuja a origem são benefícios declarados inconstitucionais, isto seria um drible à Decisão Judicial.

Com todo respeito à construção racional jurídica do Ministro de nossa Suprema Corte, não podemos concordar com a conclusão apresentada, a uma porque em sua própria fundamentação ele utiliza um exemplo que tem como defeito a falta de base constitucional. No caso dos benefícios declarados inconstitucionais, não há falta de fundamentação em nossa Carta Magna, eles podem ser declarados inconstitucionais, e normalmente o são pelo não cumprimento de uma delegação constitucional, que deu ao CONFAZ um poder absoluto, determinado em votação unânime para decidir sobre a concessão ou não.

Não há falta ou defeito no nascedouro constitucional. O defeito que pode tornar inconstitucional está na fase posterior.

De tal forma, se o defeito está na relação no CONFAZ. E posteriormente a uma declaração de inconstitucionalidade é do próprio Conselho que sai o acordo de remir, não podemos concordar que haja aí um drible inconstitucional.

E segundo, porque a questão não é apenas jurídica, ela é eminentemente política. Normalmente, costuma-se argumentar que o contribuinte que monta seus investimentos sob a égide das Leis de Benefício não é inocente e sabe dos riscos que está correndo. Como se isto, fosse suficiente para desmerecer todo o sistema jurídico e o peso de uma Lei.

Mas façamos um exercício, pensemos num estrangeiro que chega no Brasil, e sem utilizar do brilhante serviço que nós advogados tributaristas prestamos,  resolva ler a Lei e sobre ela edificar seu negócio. Faz seu plano de  curto, médio e longo prazo.  Calcula e recalcula a carga tributária,  e conclui que só é viável instalar-se no Centro –Oeste em virtude desta Lei que chamam de Produzir.

Constrói, contrata, faz publicidade e inaugura, os negócios vão bem.  Mas de repente um Fiscal bate em sua porta e lhe cobra 73% de todo ICMS não pago nos últimos anos, com multa e juros, porque a Lei foi declarada inconstitucional.

Ele pode argumentar que assinou um Contrato com a agência de Fomento e até um termo de ACORDO com a Secretaria da Fazenda do Estado, que cumpriu todas as normas, pagou o PROTEGE, e obterá como resposta: a Lei é inconstitucional , o senhor não sabia?!

A situação hipotética não seria vexatória? Do ponto de vista moral, não é de se esperar uma solução  do ente Estatal? Penso que sim. E que a única maneira de contar toda história, sem corar é dizer que diante do quadro e do prejuízo, e dos sonhos frustados, e das dívidas que podem aparecer, e das demissões em massa, diante da viabilidade ou não de um negócio engendrado com base em uma Lei devidamente publicada, o Governo busca perante este mesmo Conselho para quem a Constituição deu tamanho Poder, uma solução pelo menos amigável para o conflito, um perdão para o passado e uma boa sorte para o futuro.

Nos parece minimamente razoável, porém, hoje, o Supremo está dizendo não a esta tentativa de conserto. Poderá voltar atrás em decisão plenária, e esperamos que o faça.

Mas são situações como esta, que enfatizam a importância do Projeto Legislativo (PLP 54/2015) que hoje está na Câmara para uma solução definitiva para o passado, e para uma continuação que não nos cause rubor.

Fernanda Terra, é especialista em Direito Tributário e sócia do Terra, Pimentel e Vecci Advogados Associados

7 respostas
  1. asmr https://0mniartist.tumblr.com
    asmr https://0mniartist.tumblr.com says:

    This design is spectacular! You certainly know
    how to keep a reader amused. Between your wit and your videos,
    I was almost moved to start my own blog (well, almost…HaHa!) Fantastic job.
    I really loved what you had to say, and more than that, how you presented
    it. Too cool! 0mniartist asmr

  2. 0mniartist
    0mniartist says:

    Hey there just wanted to give you a quick heads up. The words in your article seem to be running off the screen in Ie.
    I’m not sure if this is a format issue or something to do with web browser compatibility but I
    figured I’d post to let you know. The design look great
    though! Hope you get the issue fixed soon. Kudos 0mniartist asmr

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Newsletter

Acompanhe as publicações do Terra e Vecci no seu e-mail!

Cond. Flamboyant Park Business, Rua 14, sala 2212,
Jardim Goiás – Goiânia, GO. CEP 74810-180. Ver no mapa

+55 62 3092 7606 | adm@terraevecci.com

© 2019 Terra e Vecci – Advogados e Associados | Design by Buffo Design